A empresa aérea nacional tailandesa Thai Airways volta à mídia no dia de hoje, 5 de novembro, após colocar um total de 34 aeronaves à venda, conforme anúncio publicado em seu site. A ação da empresa está relacionada ao seu processo de restruturação em meio à sua maior crise e à necessidade de eliminar custos e ativos desnecessários, além de obter alguma receita.

Segundo a empresa, os aviões estão todos sendo vendidos “como estão e onde estão”, ou seja, devem ser retirados pelo comprador às suas expensas. Os modelos incluem dez Boeing 747-400, doze Boeing 777, nove Airbus A340, dois 737 e um Airbus A300. No total, são 32 widebodies e dois narrow.

As mudanças

É fato que já havia algum tempo desde que a Thai não usava seus Boeing 747 em voos comerciais regulares e nem os Airbus A340, sendo que os últimos estão parados há mais de cinco anos. Antes da pandemia, a empresa tailandesa chegou a anunciar que reativaria os A340, que são de sua propriedade por entender que mantê-los ativos faria mais sentido do que vê-los corroendo num aeroporto do interior da Tailândia. Mas esses planos logo foram cancelados na medida em que a pandemia passou a afetar todo o setor aéreo.

Sua frota de longa distância ainda conta com quinze A330-300, doze A350-900, vinte Boeing 777-300ER, oito 787-8 e mais seis A380. Sobre esses últimos também paira uma interrogação, pois a empresa não se pronunciou sobre sua continuidade na frota, na medida em que outras empresas do mundo se desfazem de seus “gastões” superjumbos.

Fonte: Aeroin 05/11/2020

  : aviacao-comercial, internacional