O presidente da Boeing, Dennis Muilenburg, afirmou nesta quarta-feira que a empresa está na fase final do trabalho com agências reguladoras de todo mundo para que os aviões 737 MAX voltem a voar após o veto decretado há mais de seis meses devido aos acidentes na Indonésia e na Etiópia.

"Estamos fazendo progressos diários constantes nestes passos finais de certificação", declarou o principal executivo da Boeing em discurso no Clube Econômico de Nova York.

A empresa espera que o modelo possa voltar a operar ainda neste ano, uma vez que os reguladores tenham dado a sinal verde às atualizações de software e aos novos programas de treinamento para os pilotos que a fabricante desenvolveu.

Muilenburg disse que a Boeing está colaborando com as autoridades americanas e de muitos outros países para atender a todos os requisitos e destacou que os testes realizados foram positivos.

Segundo o executivo, os pilotos de teste da empresa já completaram mais de 700 voos com o 737 MAX com software atualizado, e ele mesmo participou de dois deles.

"Estamos dando passos para garantir que acidentes como estes não voltarão a ocorrer", salientou o diretor, que reconheceu que as quedas das aeronaves levaram a empresa a reconsiderar toda a sua estratégia de segurança.

Entre outras medidas, Muilenburg detalhou que foi criado um sistema anônimo para estimular empregados a informar sobre possíveis problemas detectados.

A imprensa internacional publicou após os acidentes que pilotos e funcionários da Boeing alertaram seus superiores sobre riscos no 737 MAX, mas os avisos teriam sido ignorados pela empresa.

Fonte: UOL 02/10/2019

  : aviacao-comercial, internacional